Aljafería – Fortaleza islâmica na Europa

Palacio de Aljafería - visitando castelos
Aljafería vista externa

O clima mais desértico ajuda e por alguns minutos me sinto como se eu tivesse sido transportado ao Oriente médio . O palácio de Aljafería é tudo o que se pode imaginar de uma palácio fortificado islâmico inclusive sendo muito similar aos castelos árabes construídos na Síria nos séculos VI e VII.

Vista do antigo fosso
Vista do antigo fosso

O palácio de Alijaferia é hoje uma testemunha dos mais de 800 anos em que os reinos muçulmanos dominaram a península Ibérica em quase sua totalidade e permanece como o único exemplo de edifício de arquitetura islâmica do período dos Taifas.

Taiffas é o nome que se da aos pequenos reinos criados depois da divisão do Califado de Córdoba que incluía a maior parte da península ibérica inclusive todo Portugal..

 

Foi o Rei da Taifa de Zaragoza Al-Muqtadir (que significa “o poderoso”. Seu nome era na verdade Abú Ya’far Ahmad ibn Sulaymán al-Muqtadir Billah) quem construiu a Alijaferia como seu palácio no sséc XI e o nomeou como Qasr al-Surur ou Palácio da Alegria.

Seu objetivo era construir um centro de encontro de filosofia, artes e cultura.

Al-Muqtadir foi o responsável pelo apogeu cultural e científico do reino de Zaragoza e se considerava um poeta, astrônomo e matemático.

Infelizmente sua dinastia controlou por pouco tempo o palácio já que em 1118 foi tomada por Alfonso I de Aragón (o Batalhador) que transformou o edifício no palácio para os reis católicos de Aragon (e principal ponto de difusão de arquitetura Mudejar  até 1492 quando após reformas se transformou no palácio para os reis católicos da Espanha.

(fato interessante a reforma foi realizada por descendentes dos muçulmanos que se estabeleceram na Espanha após a reconquista)

Aljafería durante toda sua história possuiu diferentes funções fortaleza, palácio e castelo e ainda hoje guarda componentes de todas estas fases.

IMG_2997

 

A parte mais antiga que ainda pode ser vista é a Torre do Trovador, uma torre de defesa que serviu a muitos propositos pelos séculos. Entre eles, foi uma das prisões da inquisição espanhola a partir de 1485.

Torre do Trovador

Ainda é possível ver os grafites deixados por prisoneiros de diversos periodos já que a torre voltou a ser prisão nos séculos XVIII e XIX.

A arte que mais me chamou a atenção de todo o complexo foi sem dúvida o seu segundo pátio ou pátio da Santa Izabel que contém a maior parte dos restos do palácio Taifal.

IMG_2978 IMG_2979

É incrível caminhar por este pátio. Os diversos arcos possuem trabalhos com detalhes muito além do que tive prazer de ver em qualquer outro castelo Europeu da época. (foto dos arcos)

Foi junto a estes arcos que o antigo rei Taifal tinha seu trono. IMG_2968

Passando por um arco ferradura se descobre que a antiga mesquita ainda existe.

IMG_2984

Além do salão de mármore e seus arcos o jardim em si é uma obra de arte. Nele correm pequenos canais que visavam resfriar o ambiente permitindo que mesmo no verão se utilizasse ao máximo a área.

Seguindo adiante se conhecem mais quartos do palácio Taifal e apos se chega no salão do trono dos reis Católicos.

IMG_3056

Os guias costumam comentar que foi aqui que Cristóvão Colombo recebeu a confirmação de que a coroa espanhola iria financiar sua viagem exploratória. Infelizmente não consegui encontrar nenhuma fonte que desse suporte a essa afirmação, porém como Cristóvão Colombo foi recebido diversas vezes pela Rainha Isabel a partir de 1486, enquanto buscava auxilio financeiro da coroa para sua agora famosa expedição, é bem possível que algum momento ele tenha se tenha se encontrado com a Rainha Isabel nesses aposentos.

IMG_3080 IMG_3062 IMG_3069 IMG_3007

A visitação do palácio somente é possível com pagamento de ingresso e a maior parte somente é acessível realizando um tour guiado (em inglês ou espanhol) – indico bastante já que as explicações são excelentes.

 

 

 

 

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *